15:05 quarta-feira, 22 novembro , 2017
Últimas Notícias
Capa / Crise Hídrica / Paracatu segue sem previsão para normalizar abastecimento de água
Paracatu segue sem previsão para normalizar abastecimento de água

Paracatu segue sem previsão para normalizar abastecimento de água

Uma audiência pública foi realizada na tarde desta quinta-feira (19) com a da Comissão de Administração da Câmara e a Companhia de Saneamento de Minas Gerais (Copasa) em Paracatu, no Noroeste do estado. Na reunião, a comissão cobrou medidas emergenciais da Copasa e do Município para solucionar ou minimizar a crise hídrica pela qual passa a cidade.

Populares protestaram em frente ao escritório da Copasa em Paracatu.

O prefeito de Paracatu Olavo Condé explicou a população os esforços que estão sendo realizados para garantir o abastecimento de água.

Na audiência e em nota oficial, a empresa informou que está providenciando a contratação de mais caminhões-pipa para minimizar os impactos no abastecimento.

A companhia disse que desenvolve também um projeto de construção de um reservatório de acumulação, que ficará próximo ao Ribeirão Santa Izabel e vai permitir uma reserva estratégica de água para garantir o abastecimento durante os períodos de estiagem. A previsão é que o trabalho seja concluído nos próximos meses.

Além disso, a Copasa anunciou, em coletiva, o início de trabalhos mais intensos de abastecimento, onde vai promover alterações no sistema de rodízio, para garantir o fornecimento de água em todas as regiões da cidade.

O próximo passo da comissão será uma reunião com a administração da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) para unir o legislativo municipal e estadual e cobrar o cumprimento integral do contrato celebrado entre a Copasa e o Município.

Segundo a assessora parlamentar, Lílian Derkiê, a reunião já foi solicitada. Ela aguarda retorno da agenda do deputado Agostinho Patrus Filho (PV), vice-presidente da Comissão de Administração Pública da ALMG.

 

Copasa inicia rodízio no abastecimento

A Copasa começou, no dia 1º de setembro, a adotar um rodízio para o abastecimento nos bairros da cidade, em consequência da baixa vazão do Ribeirão Santa Isabel no período de estiagem. Para minimizar a situação, a companhia buscou um caminhão-pipa com água potável em João Pinheiro para abastecer o reservatório.

Em uma audiência pública no dia 26 de setembro, a população presente e vereadores cobraram mais investimentos da companhia no Município. De acordo com a assessoria do Executivo, o contrato que foi renovado em 2010 apresentava um relatório que dizia que o Rio Santa Isabel seria suficiente para abastecer a cidade até 2027.

Contudo, desde que foi decretado estado de calamidade pública, no dia 18 de setembro, em alguns bairros a água é ofertada apenas durante quatro horas por dia.

Por conta da seca, a água não tem força para chegar à tubulação dos bairros, que são mais altos e o abastecimento é feito através de caminhão-pipa.

Fonte:G1.com

Vídeos:Reprodução Facebook

 

Scroll To Top